NO PAÍS

O que estão fazendo com a Amazônia?

    É a pergunta que vem à cabeça quando vemos o mapa da floresta estampado no Boletim de Desmatamento da Amazônia Legal (março 2019) publicado pela Imazon (veja, ao lado, a adaptação de alguns dos dados do mapa da Imazon). As marcas vermelhas indicam áreas de desmatamento na Amazônia Legal em janeiro de 2019. Elas formam uma cicatriz de 108 km2 de área, um aumento de 54% em relação a janeiro de 2018. 

    Entre as várias razões que explicam o aumento do desmatamento, chamam particularmente atenção a facilidade para a ocupação ilegal de terra por fazendeiros e a redução de inspeção ambiental.

Desmatamento na Amazônia Legal

Fontes do mapa: www.imazon.org.br; www.imazongeo.com.br; Shereth (talk)Brazil_Blank_Map.svg: Felipe Menegaz - Brazil_Blank_Map.svg, CC BY-SA 2.5, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4951048

Inclui os estados do Amazonas, Roraima, Rondônia, Pará, Amapá, Acre, Tocantins, Mato Grosso e parte significativa do Maranhão. A região se caracteriza por um mosaico de habitats com grande variedade na ocorrência e quantidade de espécies da fauna e da flora. 

 

Fonte: https://www.ecycle.com.br/6735-amazonia-legal

Amazônia Legal

Mais espaço

    O pecuarista que chega com seu gado à floresta quer espaço para criar seus animais. Como o espaço livre entre as árvores é pequeno para os pastos, o fazendeiro derruba a floresta. O mesmo é feito pelos agricultores que querem espaço para espalhar suas plantações. A questão é que fazem isso em qualquer lugar da Amazônia.

    Tanto agricultores quanto pecuaristas não costumam respeitar as demarcações feitas pelo governo para preservar a mata, as chamadas Unidades de Conservação, ou o Código Florestal. Pior: eles ocupam ilegalmente as terras e depois não pagam pelo crime. O mesmo caminho seguem os madeireiros, que derrubam as árvores para vender a madeira. Os inspetores ambientais, que pelo menos multariam os infratores, diminuíram sua atuação na região.

Não é preciso esperar

    Entre 2005 e 2012, o desmatamento da Amazônia caiu 70%, segundo o site eCycle, o que demonstra que ações coordenadas podem ser eficazes. A solução do problema, no entanto, envolve principalmente políticas que devem ser coordenadas pelo Ministério do Meio Ambiente, ou seja, pelo governo. 

    Enquanto isso não acontece, nada impede que você tome algumas atitudes que contribuam no combate ao desmatamento. Que tal começar não consumindo alimentos provenientes de áreas recém-desmatadas ou ocupadas ilegalmente? Pense nisso e  acompanhe de perto as notícias.